c.e.m

Pessoas do c.e.m

Sofia Ó

Sofia Ó (São Paulo, 1991) é artista e investigadora da dança interessada no corpo como experiência de encontro e espaço de invenção de liberdades.

Suas criações tomam forma em ações performativas – como a vídeodança “risco” (2017. https://www.youtube.com/watch?v=tYXZgfNx1M8) –, de escrita – como o livro “Teatro de Dança Galpão: experimentações em dança e práticas de resistência

durante a ditadura civil-militar no Brasil” (ed. Prismas, 2016) –, ou passeiam entre corpo e palavra – como em “Escavação” (2018), instalação em dança que se desdobra também no caderno de documentação editado manualmente em tiragem limitada.

Atuou como intérprete convidada da Cia. Oito Nova Dança na intervenção urbana Esquiva (São Paulo, 2016), e como performer no  ajuntamento “Pátio 18 – como viver juntos mais que um?”(Lisboa, 2018). Em parceria com a fotógrafa Marina Arruda, realizou os vídeos “U”(2014) e “Trespassagem”(2017 – https://vimeo.com/214775147). 

Iniciou seus estudos em dança na cidade de São Paulo em 1994, desenvolvendo até 2015 a prática em balé clássico (destaque-se os estudos no estúdio Cisne Negro e na Escola de Dança de São Paulo) e em dança contemporânea, entre 2008

e 2017 (especialmente junto ao Núcleo Artístico Pedro Costa e ao Estúdio Oito Nova Dança, com direção de Lu Favoretto).  

Entre 2009 e 2015, formou-se nos cursos de graduação e mestrado em Ciências Sociais na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, desenvolvendo pesquisas nas áreas de Antropologia e Ciência Política. É, desde 2010, pesquisadora do Núcleo de Sociabilidade Libertária (Nu-Sol – www.nu-sol.org), do Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais da PUC-SP, desenvolvendo pesquisas nas áreas dos anarquismos e do abolicionismo penal libertário, bem como ecologia, povos indígenas, governamentalidade planetária e práticas de resistência na sociedade de controle. Com o Nu-Sol, foi preparadora corporal e intérprete de 14 aulas-teatro, apresentadas semestralmente no teatro Tucarena (São Paulo), e é revisora de textos das publicações periódicas do núcleo, como a Revista Verve e a Revista Ecopolítica, para as quais também já colaborou como autora.

Atuou como educadora em museus e instituições culturais, tais como o Museu da Cultura – PUCSP e a Fundação Bienal de São Paulo, e presta serviços como auxiliar de pesquisa e produção de conteúdo para materiais didáticos de arte-educação. Foi professora e tutora do curso de Licenciatura em Sociologia da Universidade Paulista (UNIP). 

Entre 2015 e 2017, orientou práticas de dança contemporânea em diversos espaços em São Paulo, período em que também foi assistente de outros profissionais em cursos de dança.

Em 2017, mudou-se para Lisboa, onde reside atualmente, para participar do programa de investigação e criação O RISCO DA DANÇA (2017/2018) no c.e.m – centro em movimento.

Em 2018, recebeu apoio do Centro Nacional de Cultura para a criação de “Escavação” (Bolsa Jovem Criador), projeto também apoiado pelo c.e.m – centro em movimento e pelo Museu do Aljube. A instalaçao em dança criada neste projeto foi apresentada entre setembro de 2018 e abril de 2018 no Museu do Aljube, e também integrou a programação do festival Pedras’19. Neste mesmo festival, colaborou também como produtora.