c.e.m

Pessoas do c.e.m

Luz da Camara

Performer\investigadora, dedica-se ao trabalho com comunidades, quer em laboratórios específicos, quer em criações próprias. Interessa-lhe ser desafiada pessoal e artisticamente, pelo que a pesquisa com populações diversas – sénior, jovens em risco, portadores de deficiência e mulheres em contexto de prostituição de rua, rural e urbana, ou o próprio transeunte da grande cidade.

 

Performer\Investigadora. Diplomada em Gestão das Artes (INA) e Estudos de Teatro (FLUL). Estreou-se no teatro de revista Ádoque como actriz bailarina em 1977. Integrou o Taller de Investigaciones Teatrales Latino-Americanas orientado por Juan Uviedo trabalhando entre a Argentina e Guatemala. Faz parte da rede c.e.m-centro em movimento desde 1998, onde pesquisa sobre produção de atmosferas a que chamou (des)teceres (www.desteceres.com).

Trabalhou com Luís Castro, Sofia Neuparth, Lúcia Sigalho, Miguel Loureiro, Bruno Bravo, o grupo holandês DOOD PAARD com o espectáculo Answer me em digressão internacional (www.doodpaard.nl/project/8/) Trabalha em continuidade com a comunidade, destacando o trabalho na Estabelecimento Prisional de Tires entre 2000 e 2005, projecto de investigação apoiado pela GDA na Crinabel Lumiar (2007/2008) que veio culminar na performance/instalação “Ao fim, ao cabo e ao resto…” (www.eaoresto.blogspot.com/ ) , o acompanhamento na banda de jazz da Ajudautismo (2006/2009) e a colaboração com o projecto intergeracional TOCA subsidiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, onde entre outras coisas produziu uma rádio novela cruzando população sénior, jovens em risco e mulheres em contexto de prostituição de rua (http://soundcloud.com/projetotoca/tracks). 2011/2014 criação e digressão alentejana, onde agora vive, das performances AMOR. Fantasias e Enleios, “tOCADA… no estendal.”, “deixei o enxoval nas paredes” e “Antigona, o que se passa na sua cabeça?”. Escreve, entre outras coisas, Guias de Viagens a pé.

Participa deste do inicio em 2005 do Pedras-práticas com pessoas e lugares, quer com projetos próprios, quer integrada em projetos de Sofia Neuparth.

Participou com carlos Lima no festival Atalaia Artes Performativas 2015 com uma residência artistica entre Julho e Outubro e uma instalação no mercado sob o título “Lar, doce lar. Direito ao Tédio”