c.e.m

Notícias

pedras18 – em que mundo queremos viver?

04.12.2018

pedras18 – em que mundo queremos viver?

15 de Dezembro pelas 15h30 na biblioteca de São Lázaro apresentação do livro e do filme pedras18 – em que mundo queremos viver?

Uma publicação que traz ao encontro documentos que se fizeram presentes nesta última temporada do Pedras e um documentário que lança à partilha momentos do festival que decorreu em julho passado festejando mais um tempo de estarcom Lisboa.

O Pedras- Práticas com Pessoas e Lugares, é um exercício da especificidade da Investigação, Criação e Documentação do c.e.m – centro em movimento na relação com cada umaum, com espaços de ajuntamento e com a contínua geração de cidade.

A deslocação em 2005 da “casa do c.e.m” desde os bombeiros da Praça da Alegria para a Rua dos Fanqueiros adensou essas práticas, anteriormente realizadas pontualmente.

Habitar o coração de Lisboa acentuou o desejo de exercitar a escuta da cidade enquanto acção e, enquanto implementávamos actividades como “reverdejar a cidade” que consistiam em migrar entre casas ou estabelecimentos comerciais transportando plantas semeadas e nutridas em cada lugar, fomos praticando caminhadas e poisios que nos possibilitaram o alinhamento com outras formas de cidade que não aparecem num primeiro acesso.

O c.e.m “mora” no coração de Lisboa e a sua imerso no tecido urbano. Desde a Baixa percorremos a pé demoradamente, cada temporada, toda a área circundante que constitui hoje a Junta de freguesia de Santa Maria Maior e parte das áreas integrantes das Juntas de Freguesia de Arroios e da Misericórdia. Em toda esta zona que vai da Mouraria ao Mercado da Ribeira ou à Calçada de Santana o relacionamento com pessoas e lugares é próximo e continuado.

As acções acontecem na rua “conversando” com o quotidiano da cidade. A necessidade de recolhimento ou de expansão de cada prática está presente na atmosfera que se cria e não na regulação público/privado.

O Pedras é exercitado em Lisboa e tem aberto as suas práticas, devidamente re-afinadas, para outros lugares do Mundo.

Colaboração: Bibliotecas de Lisboa e Junta de Freguesia de Arroios